EXCLUSIVO – Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), são registrados anualmente cerca de 12 mil suicídios no Brasil. Para incentivar a conscientização e prevenção desse problema de saúde mundial, desde 2014 a ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), em parceria com o CFM (Conselho Federal de Medicina), organiza a campanha “Setembro Amarelo”, cujo objetivo é realizar ações que levem informações sobre o tema e ajudem as pessoas a cuidarem da saúde mental.

Ainda de acordo com a OMS, as taxas mundiais de suicídio estão em queda, mas na região das Américas os números vêm crescendo. Entre 2000 e 2019, a taxa global diminuiu 36%. No mesmo período, nas Américas, as taxas aumentaram 17%. Entre os jovens de 15 a 29 anos, o suicídio aparece como a quarta causa de morte mais recorrente, atrás apenas de acidentes no trânsito, tuberculose e violência interpessoal.

dr. Marcos Loreto (FOTO: Rogério Albuquerque)

“O suicídio é uma questão de saúde pública e tem sido amplamente debatido. Entendemos que tal ação é causada por danos psicológicos, sendo os principais: a depressão, a ansiedade, o uso de drogas e os transtornos de personalidade. Além disso, a pandemia contribuiu muito para o aumento de doenças mentais, em decorrência das incertezas, medo e distanciamento social. O ambiente de crise econômica também levou as pessoas a terem preocupações maiores com a questão financeira, podendo ser considerado um agravante. Com isso, as empresas de saúde e seguros vivem novas realidades e precisam se atualizar”, afirma o dr. Marcos Loreto, diretor médico técnico da Omint.

Desde 2015 a companhia disponibiliza o Programa de Saúde Emocional, elaborado pelo Núcleo de Saúde e Prevenção da Omint (NUSP), voltado a apoiar os RH’s de empresas parceiras na promoção da saúde mental. As atividades são focadas no fortalecimento da saúde emocional e conscientização sobre os níveis de estresse na vida dos participantes. Com isso, o programa identifica aqueles que necessitam de acompanhamento específico e apoia os colaboradores nesse processo e tratamento, além de promover ações que fortalecem os benefícios da saúde mental no ambiente de trabalho. “No ano de 2021, houve uma redução de 41% do nível de estresse dos colaboradores das empresas clientes atendidas. Além disso, o NUSP disponibiliza para as empresas clientes conteúdos informativos nos canais digitais”, diz Loreto.

Patrícia Coimbra

A segunda edição da pesquisa de Saúde Integral da SulAmérica, realizada pelo Instituto FSB, constatou que a saúde emocional piorou para 48% dos brasileiros durante a pandemia. O estudo também apontou que 54% dos entrevistados se dizem preocupados com as questões emocionais. “O mercado de saúde e seguros tem como objetivo oferecer segurança e proteção para as pessoas. Sempre buscamos levar informações para o maior número de brasileiros. Quando falamos sobre saúde emocional, sabemos do impacto disso na vida das pessoas”, ressalta Patrícia Coimbra, vice-presidente de Capital Humano, Marketing e Sustentabilidade da companhia.

A seguradora lançou recentemente, por meio do Instituto SulAmérica, o movimento #BemAmarelo, que propõe uma mobilização social para debater o cuidado com a saúde emocional e prevenção ao suicídio em todos os meses do ano, e não apenas durante a campanha Setembro Amarelo. Além disso, a empresa conta com o ‘Viver Bem’, uma iniciativa do programa Bem+Estar, que oferece acolhimento e suporte, através de consultas com psicólogos, às questões de saúde mental dos colaboradores. Para os segurados, a companhia oferece o Psicólogo na Tela, serviço no qual os clientes podem agendar consultas com especialistas. “As pessoas são o nosso maior ativo. E focar no bem-estar delas é essencial para que possamos auxiliar em todos os momentos”, afirma Patrícia.

Mariângela Marrocos

No Seguro PASI, a Central de Amparo PASI disponibiliza profissionais especializados para atendimentos através da “Assistência Psicológica”. Uma vez inserida nos benefícios do plano contratado, essa assistência fica disponível para os segurados e seus familiares, podendo também ser utilizada pelos RH’s das empresas e seus gestores. Os atendimentos são realizados de segunda a sábado, das 8h às 21h, de forma remota e são ilimitados. “Até pouco tempo, o suicídio não era reconhecido como um problema de saúde, porém com o aumento de depressão e outros transtornos emocionais, isto tem se tornado uma questão de forte impacto para o mercado segurador, tanto dentro das organizações quanto do lado de fora. O aumento de afastamentos, interrupções das carreiras profissionais e caos emocional em algumas companhias é notório, portanto é algo que as lideranças não podem negligenciar”, diz Mariângela Marrocos, fundadora e sócia da empresa.

Para Mariângela, o ambiente influência diretamente no comportamento e energia dos colaboradores de uma organização e, consequentemente, nos resultados dos negócios. A executiva reforça que cabe às empresas entenderem a importância das pessoas e da integração delas nessa jornada, para que programas de cuidado com a saúde mental sejam implementados de forma natural. “O acolhimento faz todos se sentirem em casa e terem a verdadeira sensação de pertencimento. Construir um ambiente acolhedor de forma genuína pode transformar uma companhia e quem faz parte dela”.

Nicole Fraga
Revista Apólice

The post Setembro amarelo: Organizações investem em programas de saúde mental appeared first on Revista Apólice.